Testemunho: 34 filhos!

Há algum tempo, algumas
amigas e eu tivemos uma conversa sobre as vantagens e desvantagens de se
ter um segundo filho. Eu tenho apenas uma filha e confesso que algumas vezes me
peguei preocupada com essa questão e tudo que a envolve. Mas depois de ouvir o
testemunho de uma querida irmã, assumi minha condição de “minhoca no
asfalto quente” (explicarei abaixo) e decidi deixar essa e outras questões
estritamente nas mãos de Deus. Com o testemunho dela, percebi a pequenez da
minha fé e o quanto ainda tenho a aprender sobre confiança em Deus.
Tive o privilégio de
receber em minha casa a visita de uma senhora que criou e educou nada mais nada
menos do que 34 filhos! Uau! Só o fato de ela estar viva já foi surpreendente
para mim, então é claro que no pouco tempo que tivemos juntas quis absorver
tudo que ela tinha a me ensinar…
Essa senhora disse que
quando mais jovem era uma exímia professora. Sua classe de 45 alunos era super
bem comandada por ela e todos a elogiavam muito pela ordem e pelo comportamento
da turma. Não demorou muito e ela recebeu o chamado para dirigir um orfanato
junto com o esposo e o filho único. Ela deixou a casa recém reformada e foi
morar num casarão velho para cuidar de 12 crianças. Como ela era uma professora
muito bem conceituada, logo pensou que seria muito fácil controlar 12 crianças,
mas logo nas primeiras semanas ela percebeu a situação tenebrosa em que tinha
se metido. Desesperada, saiu para o quintal em prantos, brigando com Deus por
ter enviado esse chamado para ela. A vontade dela mesmo era morrer de
desespero. Sumir do mapa. Largar tudo. No meio dessa briga com Deus, que
ocorreu num dia de muito calor, ela ouviu uma voz muito nítida em sua mente que
disse: “Filha, você é uma minhoca no asfalto quente!”. Ainda mais
desesperada com essa revelação, ela imaginou estar ouvindo o inimigo. A voz
repetiu essa mesma frase algumas vezes e ela pensou: “Mas minhoca no
asfalto quente MORRE!”. A impressão prosseguiu: “Isso mesmo, sozinha
você vai morrer”. Nesse momento, ela se deu conta de que tinha aceitado o
chamado se apoiando em seu conhecimento, em sua fama de boa professora e em
suas forças – de que nada mais eram do que forças de uma minhoca para sair de
um asfalto quente! A voz em sua mente deu instruções muito claras: “Quebre
o banheiro principal do casarão e transforme em uma câmara de oração. Coloque
ali Bíblias, hinários e livros do Espírito de Profecia. Organize a casa de tal forma que ali se
revezem duplas durante o dia inteiro”. 
A impressão foi tão forte
que essa senhora entrou no casarão com o objetivo de quebrar o banheiro
imediatamente. O marido estava pronto para reformar o banheiro, que estava em
péssimas condições, pois o outro banheiro era bem pequeno para tanta gente. Quando
viu a esposa pegar o martelo e começar a quebrar o vaso sanitário, ele levou um
susto. Ela nem quis saber, continuou o quebra-quebra. Sem opção, ele começou a
ajudar. Quebraram tudo e transformaram em uma câmara de oração. Ela fez uma
escala para as crianças e eles se revezarem ali durante o dia em duplas. A
minhoca no asfalto entregou o controle para Deus…
Perguntei à essa irmã
como ela fez para lidar com os traços de caráter dessas crianças cuja
influência pré-natal e também posterior eram tão negativas. Ela me explicou que
tudo era colocado no altar de oração, tudo se resolvia na câmara de oração com
Deus. Obviamente, esse lar tinha regras e seguia os princípios da educação
cristã, mas ela me explicou que colocar os princípios de Deus em prática sem
oração é o mesmo que remar sem sair do lugar. A paz reinou entre eles. Ela
NUNCA mais teve problemas de comportamento. Notem a palavra: NUNCA!
Poucos meses mais tarde,
os financiadores do orfanato decidiram fechar o lugar e enviar as crianças para
abrigos do estado. O casal ficou chocado. Como poderiam deixar essas 12
crianças irem para mãos não cristãs? O casal de origem simples e sem recursos
decidiu assumir as 12 crianças por sua própria conta e risco. Pela fé,
assumiram os 12 como filhos. Eles decidiram que não pediriam ajuda ou doações a
ninguém para que ninguém os acusasse de assumir as crianças para obter
vantagens. A partir de então houve uma sucessão de milagres extraordinários que
só de lembrar os detalhes faz meus olhos encherem de água. Deus se preocupou
com cada detalhe, cada necessidade, cada anseio, cada desejo, mesmo infantil,
dessa família e mais… não parou de acrescentar filhos! Não é porque estavam
sem ajuda financeira que fechariam as portas de seu lar. Cada um que aparecia,
eles acolhiam. Eles chegaram ao número de 34! E todos foram criados e educados
nos caminhos de Deus. Todos foram sustentados e amparados pelo Senhor e por
esse casal que os têm como verdadeiros filhos. Gostaria de relatar aqui os
milhares de milagres que essa grande família experimentou, mas a maior lição é:
Deus é Deus. Com Ele tudo podemos, não temos nada a temer e podemos confiar em
Suas providências e sabedoria – até mesmo para criar 34 filhos de origem mais
negativa aos olhos humanos e cooperar com Ele para transformá-los por Seu amor.
Ao final desse incrível
testemunho, perguntei à irmã se ela faria tudo de novo se pudesse voltar ao
passado. Ela respondeu: “Sim, só que teria mais filhos! Se pudesse voltar
ao passado, gostaria de ter 200!” 

Que possamos hoje reconhecer
a nossa condição de “minhoca no asfalto quente” e entregar o controle
de toda a nossa vida nas mãos de Deus!
Por Karina Carnassale Deana
Mãe aprendiz da Graziella (3 anos).

Acompanhe no Facebook

5 Comments

  • Unknown

    Reply Reply 8 de setembro de 2015

    Grandioso Deus!

  • Flora Andrade

    Reply Reply 15 de dezembro de 2015

    Que lindo!!

    • Vida Campestre

      Reply Reply 28 de dezembro de 2015

      Sim, Flora, essa história é linda mesmo. E ainda há muito mais milagres. Uma grande inspiração.

      Karina.

  • Vida Campestre

    Reply Reply 28 de dezembro de 2015

    Sim, Flora, essa história é linda mesmo. E ainda há muito mais milagres. Uma grande inspiração.

    Karina.

  • Camila Santos

    Reply Reply 22 de fevereiro de 2016

    Emocionante!!

Leave A Response

* Denotes Required Field