Uma carta de aniversário

Ontem, dia 6 de fevereiro, completei mais um ano de vida. Sinto-me imensamente grata a Deus por tudo o que Ele fez em minha vida até aqui. Sem dúvida, tudo o que recebi dEle foi por Sua imensa misericórdia e amor. Não há qualquer mérito em mim mesma. 
Logo pela manhã, senti o desejo de reler uma carta de aniversário muito especial escrita há muitos anos por uma mãe a seu filho. Sempre que leio essa carta sinto o Espírito Santo apelar ao meu coração. Meu desejo é que ao lê-la agora, seu coração também seja tocado (os grifos são meus):
“Querido filho: Escrevo esta pelo teu décimo nono aniversário. Foi um prazer ter-te conosco por algumas semanas. Estás para deixar-nos. Todavia nossas orações te seguirão. 

    Finda hoje outro ano de tua existência. Como o reconsideras tu? Tens acaso feito progresso na vida religiosa? Tens crescido na espiritualidade? Tens crucificado o eu, com suas afeições e concupiscências? Tens crescido em interesse no estudo da Palavra de Deus? Obtiveste decisivas vitórias sobre teus próprios sentimentos e caprichos? Oh! qual tem sido o registro de tua vida durante o ano que acaba de passar para a eternidade, para nunca mais voltar? 

    Ao entrares em um novo ano, faze-o com nova resolução de seguir direção progressiva e ascendente. Seja tua vida mais elevada do que tem sido até aqui. Faze que o teu objetivo não seja buscar o próprio interesse e prazer, mas promover o avançamento da causa de teu Redentor. Não permaneças numa atitude em que sempre necessites tu mesmo de auxílio, e outros tenham de guardar-te para te conservar no caminho estreito. Podes ser forte para exercer influência santificadora sobre outros. Podes estar em atitude em que o interesse de tua alma se desperte para fazer bem a outros, para consolar os aflitos, fortalecer os fracos, e dar teu testemunho em favor de Cristo sempre que se ofereça oportunidade. Visa honrar a Deus em tudo, sempre e em toda parte. Põe em tudo tua religião. Sê cabal em tudo quanto empreenderes. 

    Não experimentaste o poder salvador de Deus como é teu privilégio fazer, porque não tornaste o grande objetivo de tua vida glorificar a Cristo. Seja todo propósito que formares, toda obra em que te empenhares e todo prazer que desfrutares, para glória de Deus. Seja esta a linguagem de teu coração: Sou teu, ó Deus, para viver para Ti, trabalhar para Ti e sofrer por Ti. 

    Muitos professam estar ao lado do Senhor, mas não estão; o peso de todas as suas ações acha-se do lado de Satanás. Por que meio havemos de determinar de que lado nos encontramos? Quem possui o coração? Em quem estão nossos pensamentos? Sobre quem gostamos de conversar? Quem possui nossas mais calorosas afeições e melhores energias? Se nos achamos do lado do Senhor, nossos pensamentos estão com Ele, e nossos mais suaves pensamentos são a Seu respeito. Não temos amizade com o mundo; tudo quanto temos e somos, consagramos a Ele. Almejamos trazer Sua imagem, respirar Seu Espírito, fazer-Lhe a vontade e agradar-Lhe em tudo. 

    Uma Influência Positiva 
    Deves seguir uma direção tão decidida, que ninguém precisa enganar-se contigo. Não te é possível exercer influência sobre o mundo a menos que tenhas decisão. Tuas resoluções podem ser boas e sinceras, mas demonstrar-se-ão um fracasso a não ser que faças de Deus a tua força, e avances com firme determinação de propósito. Deves pôr o inteiro coração na causa e obra de Deus. Deves ser fervoroso em obter uma experiência na vida cristã. Deves exemplificar a Cristo em tua vida. 

    Não podes servir a Deus e a Mamom. Ou estás totalmente do lado do Senhor, ou do lado do inimigo. “Quem não é comigo é contra Mim; e quem comigo não ajunta espalha.” Mat. 12:30. Algumas pessoas tornam sua vida religiosa um fracasso, porque estão sempre vacilando, e não têm determinação. Sentem-se freqüentemente convictos, e chegam quase ao ponto de fazer a entrega de tudo a Deus; mas, deixando de chegar ao ponto, voltam novamente atrás. Enquanto nesse estado, a consciência vai-se endurecendo, e ficando cada vez menos susceptível às impressões do Espírito de Deus. Seu Espírito adverte, convence, e é desatendido até que quase Se afasta, ofendido. Com Deus não se brinca. Ele mostra claramente o dever, e se há negligência em seguir a luz, esta se torna em trevas. 

    Deus pede que te tornes coobreiro Seu em Sua vinha. Começa exatamente onde estás. Chega-te à cruz e aí renuncia ao próprio eu, ao mundo, a todo ídolo. Recebe inteiramente a Jesus em Teu coração. Encontras-te em um lugar difícil para manter a consagração e exercer uma influência que desvie outros do pecado e do prazer e loucura para o caminho estreito traçado para os remidos do Senhor. 

    Faze inteira entrega a Deus; submete tudo sem reservas, e busca assim aquela paz que excede o entendimento. Não te é possível receber nutrição de Cristo, a menos que nele estejas. Se não estiveres nEle, és um ramo seco. Não sentes tua necessidade de pureza e verdadeira santidade. Deves experimentar sincero desejo de ter o Espírito Santo, e orar fervorosamente para obtê-Lo. Não podes esperar a bênção de Deus sem a buscares. Caso empregasses os meios ao teu alcance, experimentarias crescimento na graça, e te erguerias a uma vida mais elevada. 

    Não te é natural amar as coisas espirituais, mas podes adquirir esse amor pelo exercício da mente, da energia de teu ser, nessa direção. O poder de fazer, eis o que necessitas. A verdadeira educação é o poder de usar as nossas faculdades de maneira a conseguir resultados benéficos. Por que é que a religião ocupa tão pouco nossa atenção, ao passo que o mundo tem a energia do cérebro, dos ossos e músculos? É porque toda a força de nosso ser inclina-se para aquela direção. Temo-nos exercitado em empenhar-nos com diligência e vigor nos negócios mundanos, até que se torna fácil ao espírito tomar essa direção. É por isto que os cristãos acham a vida religiosa tão difícil, e tão fácil a vida mundana. As faculdades foram exercitadas a empregar sua força naquele sentido. Na vida religiosa, tem havido assentimento às verdades da Palavra de Deus, mas não uma ilustração prática das mesmas na vida.


   Não se torna parte da educação cultivar pensamentos religiosos e sentimentos devocionais. Estes devem influenciar e reger todo o ser. Falta o hábito de fazer o que é direito. Há intermitente ação sob influências favoráveis; mas pensar natural e prontamente nas coisas divinas, não é o princípio regedor do espírito. 
    Anões Espirituais 
    Não há necessidade de sermos anões espirituais, caso exercitemos continuamente o espírito nas coisas espirituais. Mas orar meramente por isto e em torno disto, não satisfará às necessidades do caso. Precisas habituar a mente a concentrar-se nos assuntos espirituais. O exercício trará vigor. Muitos cristãos professos acham-se bem a caminho de perder ambos os mundos. Ser um homem meio cristão e meio mundano, faz de ti cerca de uma centésima parte cristão e todo o resto mundano. 

    O viver espiritual, eis o que Deus requer; todavia milhares exclamam: “Não sei o que é, não tenho força espiritual, não gozo o Espírito de Deus.” Não obstante as mesmas pessoas tornam-se ativas e expansivas e mesmo eloqüentes quando falam sobre assuntos mundanos. Escuta essas pessoas na reunião. Cerca de uma dúzia de palavras são proferidas em voz que mal se ouve. São homens e mulheres do mundo. Cultivaram propensões mundanas, até que suas faculdades se tornaram fortes naquele sentido. São, no entanto, fracos como criancinhas com relação às coisas espirituais, quando deviam ser fortes e vivazes. Não lhes apraz demorar sobre o mistério da piedade. Não conhecem a linguagem do Céu, e não estão educando seu espírito de modo a estar preparados para entoar os cânticos do Céu, ou deleitarem-se nos cultos espirituais que ali ocuparão a atenção de todos. 

    Cristãos professos, cristãos mundanos, não se acham familiarizados com as coisas celestiais. Eles nunca serão levados às portas da Nova Jerusalém para se empenharem em cultos que até então não os interessaram de maneira especial. Eles não exercitaram a mente em deleitar-se na devoção, e na meditação sobre as coisas de Deus e do Céu. Como, então, se poderão ocupar nos serviços do Céu? Como deleitarem-se nas coisas espirituais, puras e santas, lá do Céu, quando isto não lhes era especial deleite aqui na Terra? A própria atmosfera ali será pureza. Eles, porém, não se acham relacionados com tudo isso. Quando no mundo, seguindo suas vocações mundanas, sabiam a que se apegar, e exatamente o que fazer. A ordem inferior das faculdades, estando tão constantemente exercida, desenvolveu-se, ao passo que as mais elevadas e nobres potências do espírito, não sendo fortalecidas pelo uso, são incapazes de despertar imediatamente para os serviços espirituais. As coisas espirituais não se discernem, pois são olhadas com olhos amantes do mundo, os quais não podem apreciar o valor e a glória do divino acima do temporal. 

    A mente precisa ser educada e disciplinada para amar a pureza. Cumpre estimular o amor pelas coisas espirituais; sim, cumpre estimulá-lo, caso queiras crescer na graça e no conhecimento da verdade. Os desejos de bondade e verdadeira santidade, são bons, até certo ponto, mas se te deténs aí, de nada aproveitarão. Os bons propósitos são justos, mas não se demonstrarão de nenhum préstimo, a menos que sejam resolutamente executados. Muitos se perderão enquanto esperam e desejam ser cristãos; não fizeram, porém, nenhum esforço sincero; portanto, serão pesados nas balanças e achados em falta. A vontade precisa ser exercida na devida direção: Serei um cristão de todo o coração. Conhecerei o comprimento e a largura, a altura e a profundidade do amor perfeito. Escutai às palavras de Jesus: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” Mat. 5:6. São tomadas por Cristo amplas providências para satisfazer a alma que tem fome e sede de justiça. 

Mais Altas Realizações Espirituais 
    O puro elemento do amor expandirá a alma para mais altas realizações, para mais amplos conhecimentos das coisas divinas, de modo que ela não se satisfaça senão com a plenitude. A maioria dos professos cristãos não possuem o senso do vigor espiritual que poderiam obter, fossem eles tão ambiciosos, zelosos e perseverantes para adquirirem conhecimento das coisas divinas como são para alcançar as mesquinhas e perecíveis coisas desta vida. As massas que professam ser cristãs, têm-se contentado com ser anões espirituais. Não têm nenhuma disposição de tornarem seu primeiro objetivo buscar primeiro o reino de Deus e Sua justiça; assim, a piedade é para eles um oculto mistério, não a podem entender. Não conhecem a Cristo por um conhecimento experimental. 

    Sejam os homens e mulheres que se satisfazem com seu estado raquítico, definhado nas coisas divinas, repentinamente transportados ao Céu, testemunhando por um instante o elevado e santo estado de perfeição ali permanente – toda alma cheia de amor; todo semblante irradiando alegria; encantadora música a subir em melodiosos acentos em honra de Deus e do Cordeiro e incessantes torrentes de luz a fluírem sobre os santos procedendo do rosto dAquele que está assentado no trono, e do Cordeiro; e compreendam eles que há ainda mais elevada e maior alegria a experimentar, pois quanto mais recebem de Deus tanto maior é sua capacidade de crescer na exaltação eterna, e assim continuar a receber novas e maiores provisões das incessantes fontes da glória e bem-aventurança inexprimíveis – e poderão essas pessoas, pergunto, misturar-se à multidão do Céu, participar de seus cânticos celestes, e suportar a glória pura, exaltada, arrebatadora que emana de Deus e do Cordeiro? Oh, não! seu tempo de graça foi dilatado por anos para que pudessem aprender a linguagem do Céu, para que se tornassem “participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo”. II Ped. 1:4. Eles, porém, tinham um negócio egoísta, seu próprio, em que ocupar as faculdades da mente e as energias do ser. Não se podiam permitir servir a Deus incondicionalmente, e fazer disto um objetivo. Os empreendimentos mundanos precisam vir primeiro, e apoderar-se do melhor de suas faculdades, e a Deus dedicam um pensamento passageiro. Hão de esses ser transformados depois da final decisão: “Quem é santo, seja santificado ainda”?, “quem é sujo, suje-se ainda”? Este tempo virá. 

    Aqueles que educaram a mente em deleitar-se nos exercícios espirituais, são os que podem ser trasladados e não serem oprimidos com a pureza e a transcendente glória do Céu. Podes ter bom conhecimento das artes, estar relacionado com as ciências, ser excelente na música e na literatura, tuas maneiras podem agradar àqueles com quem convives, mas que têm estas coisas que ver com o preparo para o Céu? Que fazem elas para preparar-te a fim de comparecer diante do tribunal de Deus? 

    Não te enganes. De Deus não se zomba. Coisa alguma senão a santidade te preparará para o Céu. Unicamente a piedade sincera, experimental, pode dar-te um caráter puro, elevado, e habilitar-te a entrar à presença de Deus, que habita na luz inacessível. O caráter celeste deve ser adquirido na Terra, ou jamais se poderá obter. Começa, portanto, imediatamente. Não te iludas de que virá tempo em que poderás fazer mais facilmente um diligente esforço do que agora. Cada dia aumenta tua distância de Deus. Prepara-te para a eternidade com um zelo tal como ainda não manifestaste. Educa tua mente em amar a Bíblia, amar a reunião de oração, a hora de meditação e, acima de tudo, a hora em que a alma comunga com Deus. Torna-te celeste na mente, se queres unir-te com o coro celestial nas mansões de cima. 

    Começa agora outro ano de tua existência. No livro do anjo relator, volve-se uma nova página. Qual será o registro de suas páginas? Será ele manchado com negligência para com Deus, com deveres não cumpridos? Deus não o permita. Que aí se grave um registro que não te envergonhes de que seja revelado aos olhos dos homens e dos anjos.
Ellen G. White
Greenville, Michigan, 27 de julho de 1868.
Fonte: Testemunhos Seletos, v. 1, p. 239-246


Acompanhe no Facebook

1 Comment

  • Érica

    Reply Reply 11 de fevereiro de 2015

    Que benção. Fiz aniversário no dia 09 de fevereiro e estava um pouco triste. Mas ao ler esse post senti uma grande alegria no coração.
    Gratidão pela partilha

Leave A Response

* Denotes Required Field