Perdido e encontrado

A história a seguir é um exemplo marcante da influência revigorante do Espírito Santo
para restaurar a vida espiritual de indivíduos desobedientes:
Pouco
tempo depois que o livro Respostas Incríveis à Oração foi publicado, recebi uma carta de uma mulher cujo marido a tinha
deixado quase quatro anos antes. Ela estava especialmente impressionada com o
fato de que antes de orar por uma pessoa que não serve a Deus, primeiro peço
para que o Pai se aproprie dos méritos do sangue de Cristo para a pessoa em
necessidade, sempre consciente de que a redenção do indivíduo já foi paga.
“Quando
li em seu livro que podemos orar para que o Senhor perdoe os pecados de outra
pessoa,” ela disse, “fiquei surpresa e comecei a orar por meu marido
com fé e esperança renovadas.”
Ela disse
que seu marido e ela estavam na casa dos trinta anos, tinham bons empregos,
saúde e grandes expectativas de um futuro brilhante. Empregado por uma empresa
multinacional, o homem falava três idiomas, o que rapidamente o levou a níveis
mais altos dentro da empresa.
“Em
pouco tempo as exigências do trabalho começaram a mantê-lo longe de casa por
vários dias consecutivos. Não demorou até que o luxuoso estilo de vida do mundo
corporativo começasse a imprimir sua marca nele. Até mesmo o seu caráter começou a mudar, tornando-o muito crítico para comigo, parecendo procurar ocasiões
para discordar com quase tudo o que eu dizia.
“Começou
a criticar a igreja e os membros, e chegou a hora em que me encontrei indo à
igreja sozinha. Com o passar do tempo, ele começou a usar joias caras e não
muito depois descobri que tinha começado a fumar. Quando foi trazido para casa
bêbado depois de uma comemoração de Natal, fiquei ainda mais desapontada quando me
disse que estava tendo um caso com a secretária.
“Nosso
lar se tornou um lugar de brigas e conflitos. 
Àquele tempo, agradeci a Deus por não termos filhos para que ficassem
divididos pela terrível discórdia. Fiz tudo o que podia para que procurássemos
a ajuda de um conselheiro adventista do sétimo dia, mas em vão. Na verdade, ele
saiu de casa e me culpou por destruir nosso lar.”
Numa
conversa ao telefone, essa senhora me disse que não sabia nada a respeito do
marido há quase dois anos, até descobrir que ele enfrentava grandes
problemas no emprego. Ele tomou várias decisões que causaram a perda de grandes
somas de dinheiro à empresa. Não demorou muito e a companhia o demitiu. Ele
então foi embora da cidade e ela o perdeu de vista. Sua experiência na empresa
multinacional fez com que fosse agora impossível obter um emprego semelhante, o
que o levou a se afundar na bebida.
Mais
tarde, ela ficou sabendo que ele tentou ganhar dinheiro com jogos de azar e teve
algum sucesso por um tempo. Depois, envolveu-se com drogas, perdendo o controle
de sua vida e de tudo o que possuía. Ele pensou em se matar, “mas
descobriu que não tinha o que precisava para levar adiante seu plano. Foi muito
humilhante para a sua masculinidade perceber que não passava de um covarde”, a esposa
relatou.
Enquanto
isso, ela adquiriu um exemplar do meu livro, leu-o, e ficou especialmente
impressionada com o capítulo “Orando pelos Irreligiosos e os Maus”
(capítulo 8). Ela me escreveu para perguntar se eu poderia me unir a ela em
oração por seu marido, que ela esperava que ainda estivesse vivo.
Respondi
garantindo que o Espírito Santo certamente ministraria as graças da redenção
para aquele homem enquanto eu e ela procurássemos a ajuda de Deus. Ellen White
nos diz que Satanás e seus anjos estão redobrando “seus esforços para
frustrar a obra de Cristo em prol do homem, e prender almas em suas ciladas.
Reter o povo em trevas e impenitência, até que termine a mediação do Salvador e
não mais haja sacrifício pelo pecado, é o objetivo que ele procura
realizar” (O Grande Conflito, p.
518). Mas ela também nos lembra, vez após vez, de que Deus busca acabar com
esta escravidão.
Ciente do
que ambos, os demônios e Cristo, determinavam-se a fazer na vida desse homem,
fiquei mais ousado em minha decisão de não deixar que Satanás conseguisse o que
ele desejava, mas que Cristo saísse vitorioso. No caso desse homem, assim como em
todos os outros casos pelos quais eu oro, confiei no grande poder do Espírito
Santo para dominar e manter inoperante os inimigos de Jesus Cristo e de todos
aqueles que Ele está determinado a salvar.
Garanti à
mulher que colocaria o nome dela e de seu marido em minha lista de oração
perpétua. Diariamente, sem falhar, os apresentaria perante Jesus. Pedi apenas
que ela me mantivesse atualizado dos acontecimentos em sua vida.
Cerca de
um ano se passou. Então, numa noite, ela assistiu a um noticiário nacional de
televisão em que era entrevistado um grupo de moradores de rua numa cidade
distante. As pessoas estavam morando atrás de uma fábrica abandonada sob um
viaduto. O estado queria demolir os barracos e transferi-los para outro lugar.
Enquanto
cozinhava, ela ouviu uma voz familiar. Ao se virar para a televisão, ela viu o
marido na tela. Se ele não tivesse falado, ela nunca o teria reconhecido. Ele estava com barba e o tinha o cabelo comprido, na altura das costas. Ela disse: “Parecia
um mendigo. Era uma visão de dar dó.”
Quando
ele disse que conseguia a maior parte da sua comida nas latas de lixo atrás dos
restaurantes, ela explodiu em lágrimas. Isso partiu seu coração. Apesar de sua
profunda tristeza, ela estava grata por ele ainda estar vivo e esse fato
deu-lhe esperança de que coisas melhores viriam.
No dia
seguinte, ela entrou em contato com a emissora e soube onde a entrevista havia
sido realizada. Fazendo arranjos para ter algum tempo de folga no trabalho, começou
a busca para encontrar o marido.
Algum
tempo depois, ao manobrar o carro entre os barracos e máquinas velhas e
quebradas para chegar até um grupo de homens se aquecendo numa fogueira dentro
de um tambor de aço, ela ficou preocupada com a sua segurança e verificou
se as portas do carro estavam travadas.
Um dos
homens informou para qual barraco ela deveria se dirigir, acrescentando que ele
não tinha portas. Ela teria que abrir caminho entre um grande pedaço de lona
pesada e o barraco para chegar à entrada.
A mulher
encontrou o marido em um barraco de 2,5 por 3 metros, deitado sobre uma pilha
de caixas de papelão velhas de cerca de cinquenta centímetros de altura, que
ele usava para se isolar do frio que vinha do chão. Enquanto ele se levantava
para deixar entrar mais luz no lugar, ela se lançou em seus braços, dizendo:
“Nunca o deixarei!”
Surpreso
com a reação dela, ele repetia: “Por favor, deixe-me. Estou imundo, nojento e fedido.”
Já era
início do outono naquela distante cidade do leste e caía uma neve suave.
Sentindo frio, ela o convidou para conversarem dentro do carro. Recusando-se a entrar no
carro para que não viesse a sujá-lo, ele ficou em pé ao lado da porta enquanto
ela mantinha a janela parcialmente aberta. A neve continuava a cair e ele logo ficou parecendo um homem de neve.
“Você
entra no carro, se eu cobrir o banco com um cobertor?”, ela perguntou. Quando
ele disse que sim, ela saiu para retornar 45 minutos depois com um cobertor e
com bastante comida quente de um restaurante fastfood. A cena dele se banqueteando no que considerava ser comida
apropriada para um rei, trouxe alegria ao coração dela. Silenciosamente, ela
enviou uma melodia de louvor a Deus por trazer seu marido de volta à sua vida.
Ela cria que Deus tinha maravilhosamente respondido suas orações.
Levou uma
semana inteira de conversa antes de ele concordar em retomar a vida a dois. Ela
descobriu que, uma vez que a vida de uma pessoa atinge o grau degradante que a
dele atingiu, unicamente a graça especial de Deus pode restaurá-la.
Quando,
no final do primeiro dia, ela não conseguiu tirá-lo de seu barraco, ela retornou ao hotel em que estava hospedada. Naquela noite, orou muito e buscou
instruções especiais de como lidar com a situação. Ela queria desesperadamente
que ele voltasse à vida normal. Ela me disse mais tarde que releu grandes trechos
do livro Respostas Incríveis à Oração
para se fortalecer no poder e no amor de Deus. Então, antes de se recolher para
dormir, abriu a Bíblia para ter algo sobre o qual meditar. Ao passar os olhos
na página da direita, sua visão caiu sobre as seguintes palavras:
“E, se o Espírito daquele que dentre os mortos
ressuscitou a Jesus habita em vós, Aquele que dentre os mortos ressuscitou a
Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo Seu Espírito que em vós
habita” (Romanos 8:11).
“É isso,” ela disse consigo mesma, “a mente de
meu marido precisa ser recriada, pelo poder do Espírito de Deus, ao que ela foi
uma vez – ao mesmo grau de sanidade que ele uma vez possuiu.” Ela se ajoelhou
e abriu o coração a Deus.
Cinco dias se passaram e tudo parecia estar paralisado.
Então, uma ideia cruzou sua mente: “O meu marido precisa ouvir do
poder e do amor de Deus operando em favor das pessoas nestes tempos modernos. Vou
ler para ele trechos do livro do Morneau.”
E assim ela fez e Deus começou a trabalhar através daquelas
débeis palavras. Devagar, ele começou a responder ao Espírito e às suas
sugestões de que ela e ele poderiam ter ainda um futuro brilhante juntos se pudessem
fazer de Deus o primeiro em suas vidas.
“Não pude conter as lágrimas que rolavam pela minha face
ao ouvi-lo falar, e percebi que o Espírito Santo estava ressuscitando-o dos
mortos. Ele tinha morrido espiritualmente e agora estava vivo de novo
contando-me da alegria que já tivera quando servia a Deus.”
Foi então que ela teve o maior choque de sua vida ao ouvi-lo
dizer: “Ok, Linda (nome fictício), aceito seu convite de vivermos de novo
como marido e mulher. Isso se você conseguir ser transferida pela sua empresa
para uma cidade onde ninguém nos conhece. Não posso encarar as pessoas que me
conheceram no passado. Enquanto isso você me manterá alguns quilômetros longe
da cidade, tudo bem?”
Ela mais uma vez garantiu que faria tudo o que tinha prometido
antes. Levou ainda uns dois dias para convencê-lo a ir ao barbeiro, à lojas de
roupas e a se limpar para que pudesse viver como uma pessoa normal outra vez.
Assim, através dos esforços do Espírito Santo, Linda conseguiu
a transferência para outra cidade, e para a sua grande surpresa, foi uma
promoção que envolveu um aumento considerável em seu salário. Ambos estão
juntos, vivendo felizes no Senhor. A caminhada cristã de ambos, ela diz,
amadureceu sob o estímulo do Espírito de Deus.

Por serem pessoas discretas, Linda me pediu certa vez que nunca
contasse a ninguém sobre a experiência de seu marido. Prometi atender ao seu
pedido. Entretanto, mais recentemente, senti que deveria pedir permissão para
incluí-la neste livro como um meio de exaltar o amor e o poder de nosso
Salvador. Eles concordaram, contanto que não mencionasse seus nomes ou onde os
eventos ocorreram. Creio que a experiência deles rende glórias a Deus nas alturas!
Fonte: Tradução livre de Andrei Vieira das páginas 46 a 50 do livro More Incredible Answers to Prayer, de Roger Morneau. Para ter acesso à obra completa em pdf (inglês), clique aqui

Acompanhe no Facebook

1 Comment

  • Anônimo

    Reply Reply 19 de julho de 2015

    Glorias ao nosso Deus!!!!Ele vive e é o mesmo q lemos no passado,esta no presente,e sabe o q é melhor para nosso futuro! testemunho lindo.

Leave A Response

* Denotes Required Field