Atitude certa: corpo saudável e vida abundante (parte 4)

Em nosso estudo anterior, vimos algumas atitudes certas e
práticas que podem ser tomadas em nosso dia a dia a fim de abastecer a nossa
máquina com o combustível correto. Essas atitudes devem partir especialmente
dos chefes da família, afinal, eles são os responsáveis pelo bem-estar dos
filhos perante o divino Fabricante. Essas atitudes certas estão relacionadas às
decisões de compra no supermercado, à leitura analítica da lista de
ingredientes dos produtos que colocamos no carrinho e às maneiras de lidar com
família ao buscarmos uma mudança de cardápio em casa. Toda mudança envolve
desafios e obstáculos a serem superados, mas com a ajuda e o poder de Deus, a
vitória é garantida!

Voltando à analogia inicial feita entre o nosso corpo e um
automóvel de última geração, fica evidente a importância do uso do combustível
certo para o bom funcionamento de ambos. No entanto, o bom estado de um automóvel não
se restringe apenas ao uso devido do combustível. Existem outros cuidados que
devem ser levados em consideração, como a atenção ao nível adequado de água, à troca de óleo, à manutenção das peças e assim por diante. Com o nosso corpo, não é diferente. Há várias outras
questões além do combustível que também precisam ser observadas, entre elas, destaco aqui o
uso da água.
A importância da
hidratação correta
Que o nosso organismo necessita de água para funcionar bem,
todo mundo já sabe, mas infelizmente, poucos praticam. A água é essencial para
a hidratação, nutrição e bom funcionamento dos órgãos. Mesmo que façamos uso de
muita fibra alimentar, por exemplo, nosso intestino não funcionará bem se não
houver também ingestão de água na medida certa. Mesmo que façamos uso de
hidratantes corporais de boa qualidade, é bem provável que a nossa pele não
responda bem ao tratamento se não receber a hidratação proveniente da água. A
lista de malefícios decorrentes da não ingestão adequada desse líquido é longa.
No entanto, muitos acabam substituindo a ingestão da água
pela ingestão de qualquer outro líquido. Nessa substituição entra uma vasta
gama de alternativas, como café, chás, refrescos, refrigerantes e até água com
sabor artificial. Essas alternativas podem até saciar a sede, mas além de não
substituírem a função da água no corpo, também possuem outros elementos em sua
composição que prejudicam nosso organismo. Mesmo que você escolha como
substituição um suco natural, ainda assim não é o ideal. Afinal, o único
líquido que não estimula o funcionamento do sistema digestório é a água pura.
Ou seja, qualquer outro líquido que você tomar entre as refeições fará com que
seu sistema funcione, privando-o do devido descanso (clique aqui para saber
mais).
Alarme corporal para
fome e sede é o mesmo
Muitas pessoas alegam não beber água porque
simplesmente não sentem sede. Na verdade, o que ocorre não é falta de sede, mas
uma desatenção aos sinais do corpo. A sensação de sede e de fome muitas vezes
se confundem. O alarme emitido pelo nosso corpo para pedir água ou comida é o
mesmo. Assim, é preciso atenção e bom senso para identificar a necessidade real
do organismo. Para isso, basta parar por alguns segundos, observar os sinais do
corpo e raciocinar. Se nos alimentamos apenas há poucas horas, é bem provável
que o alarme seja para pedir água, não comida, afinal, o processo de digestão
da última refeição ainda nem se encerrou!

Para não restar dúvida, a seguir você encontra algumas dicas
para hidratar-se corretamente:
  • Não ingerir água (ou qualquer outro líquido) durante as
    refeições. Isso é essencial para garantir uma boa digestão;
  • Ingerir água até meia hora antes da refeição;
  • Esperar duas horas após a refeição para hidratar-se
    novamente. Se você beber água antes desse intervalo, sua digestão será
    prejudicada;
  • Após o intervalo reservado para a digestão, faça uso
    abundante de água pura. A ingestão de pequenas quantidades de água de tempos em
    tempos é preferível a ingestão de grande quantidade de uma única vez.

Como enfrentar a
resistência dos filhos?
Muitos pais reclamam que os filhos simplesmente se recusam a
beber água. Assim, acabam cedendo e oferecendo outros líquidos na tentativa de
mantê-los hidratados. Os segredos para enfrentar a resistência dos filhos são
simples:
  • Dê o exemplo e ingira bastante água nos períodos adequados.
    Faça questão de que os filhos o vejam fazendo isso (com prazer) e convide-os
    para acompanhá-lo;
  • Não permita que substituam a água por outros líquidos, mesmo
    naturais;
  • Explique os benefícios da água;
  • Seja firme, porém paciente. Em geral, ao perceberem a
    constância e coerência dos pais, os filhos acabam cedendo.
No próximo artigo, estudaremos juntos outro aspecto
importante para o bom funcionamento de nossa máquina. Até lá!
Para leitura adicional sobre os benefícios da água e seu consumo adequado, consulte os seguintes artigos:

Acompanhe no Facebook

Leave A Response

* Denotes Required Field