Dicas de uma mãe de primeira viagem

Mamãe e Grazi
aos 3 meses

Com a família toda na expectativa da chegada de um bebê, dicas e sugestões é que não faltam. Comigo não foi diferente. Como mãe de primeira viagem, também recebi muitas dicas, mas somente na prática descobri o que realmente funciona ou não em meu contexto e rotina familiar. A seguir, compartilho com você algumas dicas que funcionaram comigo neste primeiro ano de minha filha. Elas não estão listadas em ordem de importância, mas na sequência em que vieram à minha mente! Espero que sejam de proveito para você assim como foram para mim!

1. Berço no quarto dos pais – Essa questão é bem polêmica. Uns são a favor, outros contra. No meu caso, aprovei a ideia de colocar o berço de minha filha no meu quarto. Dessa forma, consegui dormir mais nos primeiros meses e andar menos durante a madrugada. Se você decidir aderir a essa ideia também, sugiro que se programe para comprar um berço desmontável. Ele é bem útil nesse período e também ajuda bastante para acomodar o bebê em futuras viagens. Quando o bebê ficar maior, serve de cercadinho. Gostei bastante.
2. Banheira com suporte – Adquira uma. Suas costas agradecerão!
3. Trocador alto suficiente para fazer as trocas em pé – Suas costas agradecerão novamente, pois você fará isso muuuitas vezes por dia!
4. Chupeta – Minha filha usa chupeta, mas se pudesse voltar atrás não teria dado. Nos primeiros meses ajuda a acalmar o choro, mas depois, quando mais velhos, os bebês perdem a chupeta durante a noite e choram para que você vá lá achar e colocar de volta na boca. Ou seja, não tem como escapar do choro! Minha filha só chupa chupeta para dormir. Não deixo durante o dia, nem mesmo para acalmar eventuais crises de choro. Ela logo entendeu que chupeta é para dormir. Tanto é que quando acorda já aprendeu a colocar a chupeta embaixo do travesseiro! Se você optar por oferecer chupeta para seu bebê, sugiro que siga esse método e não deixe que fique com a chupeta durante o dia, nem mesmo por algumas horas. Assim, ele não ficará tão dependente da chupeta e será mais fácil tirá-la mais tarde. O ideal, porém, é não oferecer nunca. Com o próximo, se Deus permitir, pretendo fazer diferente. Para entender os malefícios causados pelo uso da chupeta, clique aqui.
5. Remédio para cólica – Indicaram funchicória para minha filha. Não gostei e não recomendo. Dizem que é natural, e em certo sentido é, mas nem tudo que é natural é saudável. A funchicória contém açúcar (é de beterraba, mas não deixa de ser açúcar). O efeito só dura 5 minutos – tempo suficiente para o bebê degustar o açúcar da chupeta ou bico e depois voltar a chorar de dor. O que resolveu a cólica de minha filha foi carvão vegetal. Recomendo! Comprei carvão vegetal em cápsula (aquele que vem dentro de uma cápsula de gelatina, como os medicamentos em geral). O carvão vegetal em cápsula não contém açúcar, ao contrário da versão em pastilha. Para usar, retire a cápsula e misture o carvão vegetal em 20 ml de água de coco morninha, água normal ou cházinho, o que preferir. Costumava oferecer o carvão com água de coco e minha filha bebia tudo, pois a água de coco é docinha. Além do carvão, usava bolsa de água quente para ajudar. A funchicória joguei fora!
6. Brinquedos – Descobri que investir em brinquedos caros e complexos na fase de bebê é totalmente desnecessário. Sabe a parte do brinquedo que mais chama a atenção da minha filha? A etiqueta e o papel de embrulho (se fizer barulho)! Ela também gosta de botão, espelho, chocalho e qualquer coisa que brilhe ou faça barulho. No momento, com 14 meses de idade, ela está se divertindo tentando tampar e destampar uma garrafa plástica! Outros “brinquedos” que ela também gosta bastante: folhas secas, pedrinhas, galhos, utensílios plásticos de cozinha (potinhos, colheres, etc.), prendedor e assim por diante.
7. Livros para bebê – Minha filha gosta muito da série Toque e Descubra da Publifolha. Gostei bastante também. Ela fica um bom tempo brincando com esses livrinhos quietinha, especialmente na igreja ou em lugares que preciso que ela fique sentada. Há várias outras opções muito boas de livrinhos, entre elas, destaco a antiga coleção Meus Amigos da Bíblia, que usamos no culto familiar.
8. Culto familiar – Meu esposo e eu começamos a fazer o culto familiar com a nossa filha desde a primeira semana. Parece que eles não entendem nada, mas entendem sim. Vale a pena. Além de ajudar a termos disciplina nessa questão, isso também ajuda com que eles desde cedo aprendam a respeitar a Bíblia, buscar a Deus em família, aprender hininhos e falar com Jesus. Nossa filha ainda não fala, mas faz gestinhos quando cantamos as musiquinhas que ela gosta e junta as mãozinhas para orar. Clique aqui para conhecer mais a respeito desse momento.
9. Babador – Você vai usar muito! Estou usando um babador 100% de poliuretano que encontrei na loja Alô Bebê por R$27,00 na ocasião da compra. Recomendo. Apesar do preço, é bem prático, pois é possível limpar em vez de lavar toda hora e com isso você só vai precisar de uma ou duas unidades. Mas se optar por comprar babadores tradicionais, sugiro que compre aqueles com fecho em velcro ou botão de pressão. São bem mais práticos do que os de amarrar.
10. Para limpar o bumbum – Em uma emergência ou em situações difíceis fora de casa, o lencinhos umedecidos são úteis, mas no dia a dia não recomendo. Em minha opinião, eles favorecem a assadura e só enganam que limpam. Tente limpar seu rosto com um lencinho para ter uma ideia. Fica grudento! Aprendi a limpar o bumbum da minha filha com algodão e água. Me ensinaram a colocar água morna em uma garrafa térmica e ir usando essa água para molhar o algodão. Mas uso água fria mesmo, assim já aproveito para fazer um banho vital na hora de limpar o bumbum! Gostei bastante desse método, pois o algodão com a água limpam de verdade e não têm toda aquela química.
11. Paninho contra guerra de xixi – Depois de levar várias xixizadas, passei a colocar uma fralda de pano por baixo do bumbum da minha filha durante a troca. Entre tirar uma fralda descartável e colocar a outra, ela sempre fazia um xixizão, molhando o trocador e a roupa. Parece até que era premeditado! Com a fralda, o xixi é absorvido e não molha a roupa. Além disso, aproveito a fralda de pano para enxugar o bumbum depois de passar o algodão com água e deixar tudo sequinho.
12. Para proteger o bumbum – Já testei várias pomadas, pois minha filha é super sensível e assa fácil. A que ganhou em minha opinião foi o Hipoglós Amêndoas, mas atualmente uso essa pomada só à noite (minha filha dorme cerca de 11 horas sem acordar para trocar). Durante o dia, uso uma pomada à base de calêndula e própolis que encontrei em um apiário ou amido de milho.
13. Remédios – Se você optar por adotar a linha de tratamentos naturais para combater as enfermidades, assaduras, etc., você vai precisar ter em casa: argila, carvão vegetal, própolis (extrato aquoso), folhas de eucaplipto, folhas de sálvia, soro fisiológico, orégano e camomila. Esses itens são para tratamentos básicos. Para ter acesso à lista completa de ervas úteis para vários tipos de tratamentos, clique aqui. Outros itens úteis são: gase, algodão, termômetro, inalador (vale a pena o investimento) e vaporizador. Para saber como realizar diversos tratamentos naturais em bebês, clique aqui e aqui.
14. Canções de ninar – As canções de ninar ajudam bastante a acalmar o recém-nascido, mas é preciso atenção na escolha das músicas. Há opções de músicas cristãs orquestradas na versão para ninar. Vale a pena procurar.
15. Libras – A partir dos seis meses de idade, seguindo a dica da querida amiga Luciana Riges, comecei a ensinar alguns sinais de libras (linguagem dos surdos e mudos) para a minha filha para que ela pudesse se expressar e se comunicar, evitando assim boa parte do choro. Fiquei muito satisfeita com o resultado. Comecei com o sinal “estou satisfeita” ou “não quero mais” e ela aprendeu super rápido. Logo já começou a fazer o sinal quando não queria mais comer, ou certo brinquedo ou estar no colo de alguém. Quando percebi que esse sinal estava bem fixado, ensinei o sinal “quero mais” e ela logo passou a usá-lo indicando se queria mais comida, ou brincar mais e assim por diante. Além desses, hoje ela sabe sinalizar “quero água” e “por favor”. Estamos atualmente trabalhando com o sinal “obrigado” e logo quero também introduzir os sinais para “xixi” e “cocô”, que creio serão de grande ajuda no processo de tirar a fralda daqui um tempo.
16. Livros de orientação para os pais – Hoje em dia há várias opções de literatura para auxiliar os pais de primeira viagem. Li algumas literaturas cristãs antes da chegada de minha filha e entre elas destaco três: Orientação da Criança, Pais Guiados pelo Espírito e Parenting Your Infant/Toddler by the Spirit (essa última infelizmente está disponível apenas em inglês).
17. Para carregar o bebê – Uma ótima alternativa para carregar o bebê sem sentir dor nas costas é o Moby Wrap. Essa opção é confortável tanto para o bebê quanto para quem está carregando. Ganhei alguns slings, mas gostei mais do Moby Wrap (1) por causa do conforto, (2) porque dá para carregar desde recém-nascidos até crianças de 2 anos e (3) porque a posição indicada para recém-nascidos deixa o bebê como se estivesse no útero, o que ajuda a acalmá-lo nas crises de choro e cólicas. Recomendo. O único inconveniente é que esse produto não é comercializado no Brasil ainda. É possíbel adquiri-lo pela Internet (clique aqui). Outra opção é pedir para alguém trazer dos EUA ou enviar por correio para cá. A querida amiga Vanessa Rosa indicou uma versão brasileira desse produto. Para conhecer, clique aqui.

18. Fraldas descartáveis – Antes de me tornar consumidora assídua de fraldas descartáveis, pensava que qualquer marca serviria e que a diferença entre elas era apenas a propaganda. Estava enganada! Infelizmente, as melhores realmente são as mais caras. Nos primeiros meses, gostei bastante da Huggies Soft Touch Max. Achei que essa marca foi a que melhor se ajustou ao corpinho de recém-nascido de minha filha e menos deixou vazar. Depois que minha filha ganhou mais peso e cresceu, a Pampers Total Confort ajustou melhor e suportou com mais eficiência o fluxo de xixi sem deixar vazar. Até pouco tempo, costumava manter um pacote de fraldas de segunda linha para usar durante algum tratamento natural ou naqueles momentos em que é preciso realizar a troca, mas que dentro de pouco tempo será necessário trocar o bebê novamente, seja por causa do banho ou outro motivo qualquer. As fraldas de segunda linha são mais baratas, mas por outro lado deixam vazar muito, sendo necessário usar mais unidades por dia. Algumas marcas não são confortáveis para o bebê e machucam um pouco.

19. Toalha de banho fraldada – Esse tipo de toalha de banho vem com uma fralda de pano costurada por dentro, o que ajuda a absorver melhor a água. Gostei bastante e indico. As toalhas comuns não secam tão bem. Essa foi uma das várias dicas que recebi da querida amiga Adriana Lobo Kholer Teixeira e foi muito útil.

20. Substituto para o leite materno – Faço votos que você consiga amamentar seu bebê com leite materno, mas se não for possível, recomendo um substituto 100% vegetal e saudável aprovado por minha filha. Clique aqui para conhecer e saber como preparar.

21. Alimentação – Uma alimentação nutricionalmente equilibrada é essencial para que o bebê seja saudável e se desenvolva bem. Antes de nossa filha nascer, meu esposo e eu já tínhamos decidido que ela seguiria o mesmo estilo de vida que adotamos em nosso lar. Portanto, sua alimentação seria 100% vegetariana com 0% de refinados, açúcar e industrializados. Graças ao nosso bom Deus, temos conseguido manter esse propósito e só temos a agradecer ao Criador pela saúde de ferro de nossa filha. Recentemente, colocamos à sua disposição um e-book com as receitas das papinhas que costumamos preparar para ela. Clique aqui para conhecer.

22. Xô televisão – Apesar de muitos pais acharem a televisão (e o DVD, filmes infantis e cia.) um aparelho útil para entreter e educar as crianças, em casa decidimos nos livrar desse aparelho por uma série de fatores. No caso de crianças, aprendemos que o cérebro de crianças abaixo de 3 anos não está preparado para processar as inúmeras informações recebidas pela televisão em questão de segundos, como também a retina não está ainda plenamente em condições de tolerar o brilho da tela (incluindo o brilho emitido pela tela de computadores). Isto é, crianças abaixo de 3 anos não estão fisicamente preparadas para assistir a nenhum tipo de programa televisivo ou filme, mesmo que seja educativo. Além disso, crianças que não assistem televisão (incluindo filminhos) apresentam maior capacidade de concentração e se contentam com brinquedos simples, que exigem maior criatividade. Quanto maior o contato com a televisão, maior a necessidade de brinquedos complexos e menor a capacidade de concentrar-se. 

Que Deus o abençoe e lhe conceda sabedoria ao criar e educar seu bebê para a Sua honra e glória!

Por Karina Carnassale Deana
Mãe aprendiz da Graziella – 14 meses.

Acompanhe no Facebook

6 Comments

  • Pâmela

    Reply Reply 5 de fevereiro de 2013

    Gostaria de deixar a sugestão de um creme de assaduras da marca Weleda, 100% natural e muito eficiente, Creme para assaduras de Calêndula Weleda. É excelente e até agora não achei coisa melhor!

    Outra coisa que gostaria de deixar sugerida é o uso de fraldas de panos modernas. São excelentes também. No mesmo formato das descartáveis, porém de tecidos e reutilizáveis. Aparentemente pode-se pensar que se te´ra trabalho demais com elas, porém é bem o contrário, o trabalho é o mesmo de lavar qualquer outra roupa do bb, não se usa alvejantes nem amaciantes, somente sabão e para muitas mães somente bicarbonato de sódio e nada mais!

    Uma alternativa altamente ecológica e confortável… Recomendo.

    • Vida Campestre

      Reply Reply 5 de fevereiro de 2013

      Pâmela,

      Muito obrigada pelas dicas. Já tinha ouvido falar da pomada de calêndula da Weleda. Tentei achar em minha cidade, mas não consegui. Creio que pela Internet seja mais fácil encontrar. Vou testar. Muito boa a ideia da fralda tbm, embora, para quem não conhece, realmente pareça ser mais trabalhoso. Muito legal. Obrigada pela participação!

  • Gabriela Pereira

    Reply Reply 14 de maio de 2013

    Ola karina, gostei muito das dicas, queria tirar uma duvida, o carvao vegetal para colicas, é dado toda vez que o bebe tiver dor ou tem algum horario certo, tipo 2 vezes ao dia.

    • Vida Campestre

      Reply Reply 17 de maio de 2013

      Olá, Gabriela

      Boa noite!

      Eu costumava só dar o carvão para minha filha quando ela tinha crises de cólica e não em um horário fixo.

      Um abraço.

Leave A Response

* Denotes Required Field