Porque escolhemos o campo

Quando o Dawerne e eu começamos a namorar descobrimos que tínhamos vários sonhos em comum: trabalhar com música, ser missionários, ter filhos, viver no campo, etc. Logo que nos casamos tivemos a oportunidade de passar um ano na África, como missionários. Sempre fomos muito envolvidos na música tanto na igreja como profissionalmente, tivemos duas filhas, mas por quase dez anos não conseguimos realizar o sonho de viver no campo, apesar de sentirmos que a cada ano que passava Deus nos permitia chegar mais perto de realizá-lo.

Nos primeiros quatro anos de casamento moramos em apartamentos, depois que as crianças foram chegando começamos a procurar casas com quintal. E a cada mudança Deus nos permitia encontrar ambientes mais afastadas dos grandes centros e mais próximos da natureza até que começamos a sentir uma necessidade real da vida no campo.
A partir de 2007 nosso desejo se intensificou tanto que quase todo domingo saíamos para olhar chácaras e sítios nos arredores da cidade onde morávamos e quando não estávamos fazendo isso, estávamos passeando em algum parque onde podíamos estar mais perto da natureza. Sentíamos cada vez mais a necessidade de um lugar tranqüilo para morar.
Com as crianças crescendo, começamos a perceber o poder das influências negativas na comunidade onde morávamos e sentíamos que além de tranqüilidade, a vida no campo nos traria mais controle sobre situações que às vezes eram quase impossíveis de serem controladas em uma comunidade urbana.
No ano seguinte a crise econômica se iniciou nos EUA e é lá que nós morávamos. Sentimos então que deveríamos dar um passo de fé – por o pé na água e esperar o mar abrir. Apesar de na época muitos pensarem que a crise era o fator principal da nossa decisão de mudar, foi na realidade simplesmente um empurrão a mais para a realização do nosso sonho. Nossa vida era simples e se continuássemos ali talvez não fosse tão afetada assim, porém teríamos que fazer alguns sacrifícios que acima de tudo afetariam nossa vida em família.
Começamos a orar de modo mais específico pedindo que Deus nos mostrasse o caminho. Tínhamos duas opções, procurar um lugar no campo no próprio EUA ou voltar para o Brasil, onde sentíamos que seria mais fácil. Mas a verdade é que não tínhamos a mínima condição de fazer uma mudança de localização naquela época, muito menos para outro país.
Começamos a fazer uma lista das nossas necessidades mais básicas e comecei a marcar as respostas de Deus em um caderno. Foi simplesmente incrível ver como Ele ia respondendo. A listinha do Brasil cada dia crescia mais. Por exemplo, um dia comecei questionar a Deus quanto ao dinheiro para nossas passagens, o mais básico para se voltar ao Brasil. Dois dias depois meu irmão me liga e diz que minha cunhada havia começado a trabalhar para uma companhia aérea e que teríamos passagens com um super desconto a partir do mês seguinte. Lá estava minha resposta.
O Dawerne se preocupava com o trabalho no campo. Tinha o desejo de iniciar seu próprio negócio com projetos evangelísticos de mídia, mas não tinha o equipamento necessário. Escrevemos em nosso caderno e começamos a orar. Algum tempo depois um amigo ofereceu um computador facilitando o pagamento. Precisava comprar os softwares, logo descobriu onde comprar com desconto, sem ter que recorrer à pirataria ou vendas ilegais. Faltava ainda uma filmadora. Certo dia perguntou no trabalho se tinham interesse em vender uma filmadora mais antiga que tinham. Disseram a ele que fizesse uma oferta. Ele pesquisou e fez a oferta sem ter o dinheiro. Na manhã que iam conversar, recebeu um e-mail de uma amiga dizendo que estaria fazendo uma doação para seu projeto, ao conferir o valor, era exatamente o que haviam pedido pela filmadora.
Espera aí… mas, vocês já sabem onde vão morar? Era o que todos perguntavam. E a casa no campo? Onde seria? Não, não sabíamos ainda, não tínhamos dinheiro para comprar uma propriedade, mas sabíamos que se fosse da vontade de Deus Ele abriria as portas. Já tínhamos olhando uma região que nos agradara no Brasil, mas não tínhamos nenhum contato lá. Certo dia uma amiga veio nos visitar e disse que estava comprando um sítio no Brasil. Onde era? Na mesma região que havia nos agradado. Passaram-se mais alguns meses e um dia ela nos liga e diz: A pessoa que ia morar no meu sítio desistiu, vocês querem ir para lá? Lá estava nossa resposta. Apesar de ainda não termos certeza que daria certo, pois precisávamos conhecer o local e ver se teríamos o que precisávamos para as necessidades da família, trabalho, etc., ficamos mais tranquilos, pois víamos que Deus estava no controle.
Encurtando a história, sete meses após tomarmos a decisão, chegamos ao Brasil, com a cara e a coragem (e a pequenina fé). Dúvidas? Medos? Com certeza, muitas vezes. Mas algo em nosso coração nos fazia avançar, não conseguíamos imaginar que todas aquelas respostas de Deus haviam ocorrido por acaso!
Visitamos o sítio – era maravilhoso! Deus não poderia ter sido mais bondoso para conosco. Um pequeno (grande) problema ainda pairava no ar, não tinha Internet. Nosso trabalho todo dependia de Internet. Começamos a orar. Meu esposo foi à cidade pesquisar, falaram para ele que não viam possibilidades. Foi a um segundo local, lhe mostraram uma montanha e disseram: “Se do sítio você tiver visão para aquela montanha, existe uma chance, temos uma torre transmissora lá.” Ele juntamente com o irmão da nossa amiga, também proprietário do sítio, foram dirigindo, olhando a montanha e orando. Ao chegarem lá, viram a montanha bem de frente. Chamaram a companhia, fizeram os testes e o sinal era perfeito.
Estamos aqui há dois anos e meio. O máximo que já moramos no mesmo local! Quem nos conhece sabe que em quase 12 anos de casados nunca moramos mais de um ano na mesma casa e nunca mais de dois anos no mesmo país. Nossos apelidos? Nômades, ciganos, indecisos e definitivamente loucos! Mas como sempre dizemos: Todas as nossas mudanças tiveram um propósito e foram dirigidas por Deus, até mesmo aquelas que foram provas para simplesmente nos ensinar a confiar mais nEle.
Estamos felizes? Definitivamente. Problemas? Muitos! Mas vivemos na certeza de estarmos aonde Deus planejou que estivéssemos, cada dia aprendo mais do Seu amor e cuidado por nós. O futuro? Ainda continua em Suas mãos…
Algumas pessoas estranham nossa opção de morar no campo, e dizem que jamais se acostumariam, mas sabe o que percebemos? A maioria dos pacotes de férias é para lugares mais isolados, depois de um ano de trabalho e correria todos desejam ir para um hotel fazendo, para a praia ou para chalé na montanha. Por quê? Porque no fundo do nosso coração, mesmo que de modo inconsciente desejamos voltar ao ambiente original onde fomos criados. Você já parou para pensar que Deus criou o homem em um jardim, e que quando Ele voltar para nos buscar dessa terra também vai nos levar para um jardim? Deus nos criou para vivermos em meio à natureza, pois um dos meios mais visíveis de se comunicar conosco é através dela.
Por que escolhemos o campo então?
  • Pela tranqüilidade que sentimos aos acordar todos os dias com o canto dos pássaros e deitar todas as noites com o canto dos grilos e sapos.
  • Pela liberdade que sentimos ao sair da porta de casa e não vermos muros ou cercas, mas um espaço aberto cheio de maravilhas da criação de Deus.
  • Por todos os dias podermos ver coisas simples, que na cidade, até esquecemos que existem, mas que nos fazem pensar em Deus como: o nascer e pôr do sol, o céu estrelado, pássaros, flores e plantas de todas as cores.
  • Por termos tempo para a família, para correr e brincar com as meninas, sem a preocupação de que estamos nos esquecendo de algum compromisso social, que normalmente nos distanciaria delas.
  • Por podermos deixá-las brincar a vontade sem se preocupar se estão aprendendo alguma coisa errada com as crianças do vizinho ou na televisão.
  • Pela saúde que passamos a ter por podermos: escolher deitar e levantar cedo, respirar ar totalmente puro, beber água pura da mina, comer frutas e verduras do pomar sem agrotóxicos.
  • Pelo exercício físico que praticamos por prazer, fazendo caminhadas, escalando “nossa montanha”, cuidando da horta.
  • Porque quando ficamos preocupados basta sentarmos na varanda e olhar as árvores e montanhas ao nosso que redor que imediatamente nos lembramos que Deus está conosco e vai nos ajudar a vencer os obstáculos.
  • Porque na vida mais calma conseguimos realmente enxergar nossas prioridades e organizar a vida de acordo com elas.
  • Porque ao passarmos a desfrutar das bênçãos do campo entendemos que este é o plano original de Deus para nós.
“O meu povo habitará em moradas de paz, em moradas bem seguras e em lugares quietos e tranquilos, ainda que haja saraivada, caia o bosque e seja a cidade inteiramente abatida” Isaías 32:18, 19.

Por Rute Bazan


Fonte: Pequeno Éden

Conheça mais sobre esse ministério, entre no site do Projeto Restaure.

Acompanhe no Facebook

1 Comment

  • Karina B J

    Reply Reply 15 de junho de 2012

    Olá,
    Nossa família tem sentido um desejo muito grande de mudar para o campo, há mais de 1 ano temos sentido este desejo, porém entre tantas dificuldades uma que muito tem nos incomodado é o fato de que nos lugares que nosso coração desejou muito encontramos a dificuldade de não haver escola adventista próxima para nossos filhos hoje com 7 e 9 anos.
    Gostaria de saber como tem sido a experiência de vocês que também tem filhos em fase escolar. Quem sabe podem nos auxiliar com sua experiência.

    Um abraço

    Karina

Leave A Response

* Denotes Required Field