Filho vem com manual, sim!

Quem
diz que filho não vem com manual desconhece as ricas instruções que Deus registrou em Sua Palavra, a Bíblia e o
Espírito de Profecia. As orientações divinas para a educação de filhos
abrangem todos os aspectos da vida como alimentação, vestimenta,
desenvolvimento físico, mental e espiritual, relacionamento familiar, rotina, enfim, tudo o que o pai cristão deve saber para criar seus filhos no
caminho da justiça.
É
bem verdade que nem sempre conseguimos aplicar a teoria com facilidade na vida
prática, mas Deus prometeu conceder-nos sabedoria e discernimento para vivermos
aqui o Seu ideal para a família.
O
manual divino para a criação e educação de filhos tem nome: Orientação da Criança. Se você é pai e nunca leu, não perca tempo. Esse livro é fundamental
para toda família cristã. Recomendo a leitura, releitura e constante consulta
das preciosas instruções que ali se encontram. Sem dúvida, esse deve ser, ao lado
da Bíblia, o livro de cabeceira de pais e mães que desejam educar os filhos
para a eternidade.
Abaixo,
encontra-se um simples resumo em formato de pergunta e resposta de alguns pontos importantes abordados no livro. Esse resumo é muito superficial perto da
infinidade de ricas informações encontradas na obra. Mesmo assim, espero
que seja útil e desperte em você o desejo de ler por si mesmo a obra completa.
Vale a pena!
  • Quando começa a educação da
    criança?

“A educação começa com o
bebê, nos braços da mãe” (p. 26).
“O trabalho da mãe deve
começar com o bebê. Deve subjugar a vontade e o temperamento da criança e
trazer sua disposição e sujeição. Ensinai-lhe a obedecer, e, ao se tornar a
criança mais velha, não afrouxeis a mão” (p. 82).
“Desde os mais tenros anos de
nossos filhos, devemos procurar vencer neles o espírito do mundo” (p. 250).
  • Qual
    é a obra confiada aos pais?

“Aos pais e mães é
confiado moldar a mente dos filhos” (p. 18).
“Pais, vossa obra é desenvolver
nos filhos a paciência, a constância e o amor genuíno” (p. 174).
“Deus tem dado aos pais o seu
trabalho, formar o caráter dos filhos segundo o Modelo divino. Por sua graça
poderão realizar a tarefa; mas isso exigirá esforço paciente e consciencioso,
não menos que firmeza e decisão para guiar a vontade e restringir as paixões”
(p. 169).
“Sobre os pais repousa o
sagrado dever de guiar os filhos nos caminhos da estrita obediência” (p. 80).
  • De
    que maneira os pais devem desempenhar essa obra?

“Corajosa e alegremente devem
os pais empreender sua obra, levando-a avante com incansáveis esforços” (p.
22).
“Instruí-os pacientemente. Às
vezes terão ser punidos [os filhos], mas nunca façais de tal maneira que eles
sintam que estão sendo punidos com ira. Com tal atitude, fareis um mal ainda
maior” (p. 245).
“Mães, por mais provocadores
que vossos filhos possam ser em sua ignorância, não deis lugar à impaciência.
Ensinai-os com paciência e amor. Sede firmes para com eles. Não permitais que
Satanás os domine. Disciplinai-os apenas quando estiverdes sob a disciplina de
Deus. Cristo será vitorioso na vida de vossos filhos, se aprenderdes dAquele
que é manso e humilde, puro e incontaminado” (p. 245).
  • O
    que os pais devem aprender a fim de desempenhar essa obra?

“Devem os pais aprender
a lição de implícita obediência à voz de Deus, que lhes fala por sua
Palavra” (p. 24).
  • Como
    proceder para operar uma transformação na família?

“Se os pais querem ver um
estado de coisas diferente na família, consagrem-se eles inteiramente a Deus, e
o Senhor lhes mostrará meios e maneiras pelas quais se possa operar uma
transformação em sua casa” (p. 172).
  • Qual
    a melhor escola, o melhor professor e o melhor livro para a criança? 

“Para os primeiros oito ou
dez anos da vida de uma criança, o campo ou o jardim é a melhor sala de aula, a
mãe é o melhor professor, a Natureza o melhor livro. Mesmo quando a criança tem
idade suficiente para frequentar a escola, a sua saúde deve ser considerada de
maior importância do que o conhecimento dos livros. Deve ser rodeada das
condições mais favoráveis, tanto para o crescimento físico como para o mental”
(p. 300)
“A infância se estende
até a idade de seis ou sete anos. Até esse período a criança deve ser deixada
como cordeirinho a andar ao redor da casa e nos jardins, na vivacidade de seu
espírito, pulando e saltando, livre de cuidados e dificuldades. Os pais, e
especialmente as mães, devem ser os únicos mestres dessas mentes infantis”
(p. 300).
“A mãe deve ser a
professora, e o lar a escola em que cada criança receba suas primeiras lições;
e estas devem incluir hábitos de laboriosidade” (p. 301).
  • Qual
    é uma das primeiras lições que a criança precisa aprender?

“Uma das primeiras lições que
a criança precisa aprender é a da obediência” (p. 82).
  • O
    que fazer quando os filhos são desobedientes?

“Caso vossos filhos sejam
desobedientes, devem ser corrigidos… Antes de corrigi-los, ide à parte e pedi
ao Senhor que abrande e domine o coração de vossos filhos e que vos dê
sabedoria ao lidar com eles. Nunca soube, em caso algum, que esse método
falhasse. Não podeis fazer uma criança compreender coisas espirituais quando o
coração está excitado de ira” (p. 244).
“Raciocinai primeiro com
vossos filhos. Apontai-lhes claramente seus erros, convencei-os de que não
somente pecaram contra vós, mas contra Deus. Com o coração cheio de piedade e
de tristeza pelos vossos filhos que erram, com eles orai antes de corrigi-los.
Então verão que não os punis porque vos têm causado incômodo, ou porque quereis
desabafar sobre eles o vosso desagrado, mas devido ao senso do dever, para o
seu bem; e eles vos amarão e respeitarão” (p. 252).
“A vara pode ser
necessária quando falharem outros recursos, contudo não deve fazer uso dela, se
for possível evitar. Mas, se medidas mais brandas se mostram insuficientes,
deve administrar-se com amor o castigo que levará a criança à compreensão de
seus deveres… e quando este passo se torna necessário, deve impressionar-se
seriamente a criança com o pensamento de que isto não é feito para a satisfação
dos pais, ou para comprazer uma autoridade arbitrária, mas para o bem da
própria criança” (p. 250).
  • Quais outras lições os pais
    devem ensinar aos filhos?

“Na tenra infância devem as
crianças ser ensinadas quanto aos reclamos da lei de Deus e a fé em Jesus, nosso
Redentor, para purificar da mancha do pecado. Essa fé deve ser ensinada dia a
dia, por preceito e exemplo” (p. 508).
“Lições de respeito,
obediência, reverência, domínio próprio […] Ensinai vossos filhos a serem
bondosos e pacientes. Ensinai-lhes a pensar nos outros” (p. 17).
“É importante que os pais, na
educação dos filhos, lhes dirijam e eduquem a mente para amar a verdade, o
dever e abnegação, e para possuir nobre independência na escolha do que é
direito, ainda que a maioria escolha o estar errada…” (p. 424).
“Desde os primeiros anos,
devem [os filhos] ser ensinados a desempenhar sua parte nos encargos do lar.
Deve-lhes ser ensinado que as obrigações são mútuas. Também devem ser ensinados
a trabalhar com rapidez e correção. Tal educação ser-lhes-á do maior valor em
anos posteriores” (p. 120).
“Ensinemos os pequeninos a
nos ajudarem enquanto suas mãos são pequenas e pouca é sua força.
Impressionemos-lhes a mente com o fato de que o trabalho é nobre.” (p. 127).
“Às crianças devem ser
ensinados, já em pequeninas, os rudimentos de fisiologia e higiene, por meio de
lições simples e fáceis” (p. 362).
“Não negligencieis ensinar
vossos filhos a cozinhar” (p. 374).
“Tantos os rapazes como as
moças devem obter conhecimento nos deveres domésticos. Fazer a cama e arranjar
o quarto, lavar a louça, preparar a comida, lavar e consertar sua própria
roupa, são conhecimentos que não tornarão um rapaz menos varonil; torná-lo-ão
mais feliz e mais útil. E se, do outro lado, as moças pudessem aprender a
arrear, cavalgar, e usar a serra e o martelo, assim como o ancinho e a enxada,
estariam melhor adaptadas a enfrentar as emergências da vida” (p. 351).
“Deve-se ministrar instrução
em agricultura, manufaturas, abrangendo tantos dos seus mais úteis ramos quanto
possível; bem como em economia doméstica, arte culinária saudável, costura,
confecção de roupas saudáveis, tratamento de doentes, e coisas correlatas” (p.
357).
  • É
    aconselhável enviar crianças muito novas à escola?

“É costume enviar crianças
muito novas à escola. Exige-se delas estudarem nos livros coisas que
sobrecarregam a mente infantil. … Tal procedimento não é sábio” (p. 300).
  • Qual
    o maior pecado que os pais podem cometer com relação à educação dos filhos?

“Os pais não podem cometer
maior pecado do que negligenciar a responsabilidade que Deus lhes deu, deixando
os filhos sem nada fazer, pois esse filhos logo aprenderão a amar a ociosidade
e ao crescerem serão homens e mulheres desamparados e inúteis” (p. 123).
  • Qual a disciplina que Cristo
    deseja que as crianças recebam?

As crianças devem ser “educadas
nos hábitos de operosidade, asseio e ordem. Essa é a disciplina que Cristo
deseja que elas recebam” (p. 24).
“A melhor disciplina que eles
[os filhos] podem ter é o trabalho. Não é mais difícil para eles do que para
suas mães. Uni o trabalho físico ao mental, e as faculdades da mente se
desenvolverão muito mais” (p. 126).
  • O
    que é de maior importância para a saúde e felicidade da família?

“Nada é de maior importância
para a saúde e felicidade da família toda do que a habilidade e inteligência
por parte de quem cozinha. Pelo alimento mal preparado e insalubre, pode-se
impedir e mesmo arruinar não somente a utilidade dos adultos como também o
desenvolvimento das crianças” (p. 371).
  • Quais
    são os melhores alimentos para a família?

“A fim de saber quais são os
melhores alimentos, cumpre-nos estudar o plano original de Deus para o regime
do homem” (p. 380).
“Cereais, frutas, nozes e
verduras [no original em inglês, vegetais], constituem o regime dietético
escolhido por nosso Criador” (p. 380).
  • Deve
    haver regularidade nas refeições?

“A irregularidade na
alimentação arruína a saúde dos órgãos digestivos, com detrimento da saúde em
geral, e da alegria… Em caso algum devem as refeições ser irregulares” (p.
387).
“Se todos comessem em
períodos regulares, não provando coisa alguma entre as refeições, estariam
dispostos para suas refeições, encontrando no comer uma satisfação que lhes
recompensaria o esforço” (p. 388).
“Tomada a refeição regular,
deve-se permitir ao estômago um descanso de cinco horas. Nenhuma partícula de
alimento deve ser introduzida no estômago até a próxima refeição… Cometem as
mães um grande erro ao lhes permitirem [aos filhos] comer entre as refeições”
(p. 389).
  • Como
    deve ser o vestuário das crianças?

“A todos os respeitos as
roupas devem ser saudáveis” (p. 398).
“As roupas de toda a criança
devem ser bastante folgadas a fim de permitir a mais livre e ampla
respiração…” (p. 426).
“Especial atenção deve-se dar
às extremidades, para que estejam inteiramente vestidas como o peito e a região
sobre o coração, onde maior é a quantidade de calor. Os pais que vestem as
crianças com os membros desnudos ou quase assim, sacrificam a saúde e a vida
dos filhos à moda” (p. 426).
“No vestuário, bem como em
todas as outras coisas, é nosso privilégio honrar o nosso Criador” (p. 413).
  • De
    que maneira devemos iniciar e finalizar o dia em família?

“Em cada família deve haver
um tempo determinado para os cultos matutino e vespertino. Que apropriado é
reunirem os pais em redor de si aos filhos, antes de quebrar o jejum, agradecer
ao Pai celeste Sua proteção durante a noite e pedir-lhe auxílio, guia e
proteção para o dia! Que adequado, também, em chegando a noite, é reunirem-se
uma vez mais em Sua presença, pais e filhos, para agradecer as bênçãos do dia
findo!” (p. 520).
“À noitinha e pela manhã,
uni-vos aos vossos filhos no culto de Deus, lendo Sua Palavra e cantando Seu
louvor. Ensinai-os a repetir a lei de Deus” (p. 523).
  • O
    que dizer do convívio familiar?

“Que os pais dediquem as primeiras
horas da noite à sua família. Deixem eles o cuidado e a perplexidade com os
labores do dia. […]  Sejam as noites passadas na maior felicidade
possível. Seja o lar um lugar em que existam a alegria, a cortesia e o amor.
Isto se tornará atrativo às crianças. Se os pais estão sempre a tomar
emprestada a preocupação, se são irritáveis e críticos, as crianças participam
do mesmo espírito de insatisfação e contenda, e o lar torna-se o lugar mais
infeliz do mundo. […] Fazei com que as crianças considerem o lar o lugar mais
atrativo da Terra. Cercai-as de tal influência que elas não procurem companhias
de rua, nem pensem nos antros do vício senão com horror” (Conselhos sobre Saúde, p. 100 – única citação extraída de outra obra do EP).
  • Como
    deve ser o sábado em família?

“Durante toda a semana tende
em vista o santo sábado do Senhor, pois esse dia deve ser dedicado ao serviço
de Deus” (p. 525).
“Antes do pôr do Sol, todos
os membros da família devem reunir-se para estudar a Palavra de Deus, cantar e
orar” (p. 529).
“Não deveis perder as
preciosas horas do sábado, levantando-vos tarde. No sábado a família deve
levantar-se cedo” (p. 530).
“Não devemos, no sábado,
aumentar a quantidade de alimento ou preparar maior variedade do que nos outros
dias. Ao contrário, a refeição no sábado deve ser mais simples… As refeições,
posto que simples, devem ser apetitosas e atraentes. Trata-se de arranjar
qualquer prato especial, que a família não costuma comer todos os dia” (p.
532).
“Podem e devem os pais dar
atenção aos filhos, lendo-lhes as partes mais atraentes da história bíblica,
ensinando-os a reverenciar o dia de sábado… As crianças podem ser
interessadas na boa leitura ou na conversa acerca da salvação de sua alma” (p.
533).
“Podem os pais levar os
filhos ao ar livre para ver a Deus na Natureza” (p. 533).
“Nesse dia, mais do que em
qualquer outro, é-nos possível viver a vida do Éden” (p. 535).
“Devemos tornar o sábado tão
interessante para nossa família, que sua volta semanal seja saudada com
alegria” (p. 536).
Para
refletir…
“Que espécie de quadro vos pintará
o grande Artista Mestre nos registros do Céu? Devemos decidi-Lo agora. Logo
mais, quando a morte vier, não haverá tempo para endireitar os pontos falhos do
caráter.
“Para nós, individualmente,
esta deve ser uma questão muito importante. Todo dia é feita uma semelhança
nossa para o tempo e para a eternidade. Que cada um diga: ‘Minha semelhança
está sendo feita hoje.’ Perguntai-vos diariamente, a cada hora: ‘Como soarão
minhas palavras aos anjos de Deus? São como maçãs de ouro em salvas de prata,
ou como uma rajada de saraiva, machucando e ferindo?’ …
“Não somente nossas palavras e
ações, mas também os nossos pensamentos formam o quadro do que somos. Seja boa,
então, cada alma, e faça o bem. Tal seja o quadro que de vós for feito, que não
tenhais de que vos envergonhar. Cada sentimento que acariciamos deixará sua
impressão no semblante. Deus nos ajude a fazer nosso registro em nossa família
o que gostaríamos que fosse no registro celestial” (p. 562, 563).
Por Karina Carnassale Deana
Mãe aprendiz da Graziella, 5 meses.

Acompanhe no Facebook

Leave A Response

* Denotes Required Field