Menos é mais

“Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam” (Mateus 6:20).
O dia 24 de dezembro foi um dia muito especial aqui em casa. Nesse dia agradecemos a Jesus por ter nos dado o Logan, que completou 5 anos.

“Por ocasião de aniversários devem os filhos ser ensinados que têm motivo para agradecer a Deus por Sua amorável bondade em lhes haver preservado a vida por mais um ano. Ensinai-lhes a recapitular o passado ano de vida, de modo a considerar se se alegrarão em enfrentar esse registro tal como se encontra nos livros do Céu. Encorajai neles pensamentos sérios, se sua conduta, palavras e obras são de molde a agradar a Deus” (O Lar Adventista, p.473 ).

Durante a semana especial que antecedeu o aniversário, fomos marcando um “x” no calendário e o Lolo, forma carinhosa de chamarmos o Logan, ficou bem ansioso para esse dia chegar logo. Perguntei se ele estaria disposto a doar um brinquedo usado para alguém que não tinha, já que ele iria ganhar outro. Cuidadosamente ele procurou entre os carrinhos e outros pertences e juntos esvaziamos as caixas de brinquedo. Apesar de não sabermos ao certo a data em que Jesus nasceu, expliquei que nessa época do ano o mundo celebra o Seu nascimento e que as pessoas costumam comprar muitos presentes umas para as outras, pois entendem que assim estão celebrando o presente que Deus nos deu: Jesus.

Vi que nossos feriados não devem ser despendidos da maneira como o faz o mundo, embora não devam ser ignorados, pois isto causará insatisfação a nossos filhos. Nessas ocasiões em que há o perigo de nossos filhos serem expostos a más influências e se corromperem pelos prazeres e atrações do mundo, estudem os pais alguma coisa que possa tomar o lugar de divertimentos mais perigosos. Dai a entender a vossos filhos que tendes em vista o seu bem e felicidade (Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 514 e 515).
Com isso em mente, expliquei para o Lolo que essa seria uma boa oportunidade de empacotarmos os brinquedinhos usados, mas em boas condições, e presentearmos outra criança que nao receberia um presente novinho como o dele. A Lissa, minha filha mais nova, também se empolgou e começou a se desfazer das bonequinhas extras e até das roupinhas que não estavam mais em uso.

Devemos lembrar que mais abençoada coisa é dar do que receber. O costume e a moda dizem: Dá aos que te derem; mas esta não é a regra bíblica de dar. A Palavra de Deus fala contra esta maneira de satisfazer ao ego quando damos nossos presentes, e diz: “O que dá ao rico, certamente, empobrecerá.” Prov. 22:16; Comecemos a pensar o que poderemos fazer pelos necessitados de Deus. Podemos fazê-los por nosso intermédio recipientes das bênçãos de Deus. Pensai qual a viúva, o órfão, a família pobre que podeis socorrer, não de maneira a fazer uma grande ostentação do assunto, mas como um canal pelo qual os bens do Senhor fluirão como bênçãos para os Seus pobres…” (O Lar Adventista, p. 474 e 475).

Pouco a pouco foi tudo ficando mais limpo e arejado. Parece que o menos se transformou em mais naquele momento. Menos brinquedos e mais espaço. Menos roupas e mais organização. Até o Luciano, meu esposo, e eu entramos na agitação e no dia seguinte começamos a mudar toda a sala e a tirar o que não estava mais em uso. Dali fomos para a geladeira, em seguida para o armário e assim por diante, sempre com a ajuda de Jesus, pois nosso desejo é fazer tudo que O agrada, a começar pelo nosso corpo, mente e alma, conforme o próprio Mestre nos ensinou em Mateus 22:37, que diz: “Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento”. Como podemos servir a Deus de toda a nossa alma, quer sejamos pequeninos ou adultos, se habitamos em meio à bagunça e desordem? Ou se mantemos quadros penduramos em nossa parede que não nos trazem à memória o amor de Deus?

Nesse espírito, passamos a incentivar as crianças a brincar com brinquedinhos de madeira simples ou legos que as ajudem a imaginar e não a copiar o que foi inventado por outra pessoa através de personagens de desenhos ou animais que não existem. Temos também pedido sabedoria do alto para ensiná-las a doar, a dividir com o próximo, a ficarem contentes com o que têm e, o principal, a não se apegarem às coisas materiais. “Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam” (Mateus 6:20).

Que o amor de Jesus através do Seu Espírito Santo se multiplique em seu coração para que juntos acumulemos tesouros no céu.

Mãe Aprendiz do Logan, 5 anos, e da Larissa, 3 anos.

Amiga querida da Equipe Vida Campestre.

Acompanhe no Facebook

Leave A Response

* Denotes Required Field