A batalha do chocolate

Alguns anos atrás, tomei a decisão de ser mais cuidadosa com a minha alimentação e evitar alimentos não tão saudáveis como o chocolate. Comecei a perceber porém, que toda vez que saia sozinha e passava no caixa dos mercados comprava uma barrinha de chocolate. Era só de vez em quando, mas era toda vez que estava sozinha, pois não queria dar “mau exemplo” para minhas filhas. Então como não acontecia sempre achava que não tinha problema. Um dia, no entanto, Deus tocou meu coração em relação a isso.
Fui contratada para trabalhar por 3 meses em um lugar onde em cada cantinho das salas havia uma mesinha com um cestinho cheio com chocolates, e as pessoas logo me avisaram que podia me servir deles o quanto quisesse. No primeiro dia, comi chocolate o tempo todo. Voltei para casa arrasada e foi aí que percebi que aquele era um mau hábito e que eu não tinha controle algum sobre ele. Senti Deus tocando meu coração naquela noite e me preparei para enfrentar o dia seguinte. Li algumas coisas sobre o assunto e orei especificamente antes de sair de casa.
Ao chegar ao trabalho, foi uma tentação após a outra, percebi então que aquilo não era simplesmente uma questão de saúde como muitas vezes dizemos, mas sim uma questão espiritual. Passei o dia inteiro “resistindo”, até que em um momento coloquei um no bolso. Continuei trabalhando e quando saí para casa tirei do bolso rapidamente e comi, como se o problema fosse o local e não o ato de comê-lo. Resultado? Fiquei mais arrasada ainda que no dia anterior.

Em casa continuei lutando com Deus e Ele me impressionou com a idéia de que eu precisava transformar cada ponto de tentação em um ponto de oração. Isto é, cada cestinho com chocolate se tornou um ponto de oração para mim. Passava perto de uma mesinha e quando a tentação vinha, eu orava. Passava perto de outra e quando a tentação vinha, orava novamente. Comecei a fazer isso todos os dias, e pela graça de Deus além de vencer aquele hábito o meu lugar de trabalho se tornou um lugar de oração.
Este incidente ocorreu nos EUA quando morava lá. Depois de vários meses, quando o chocolate já não era mais uma tentação para mim, me mudei para o Brasil e um belo dia saindo de uma loja ví no balcão aquele pão de mel coberto de chocolate. Fazia muito tempo que não comia, e senti um desejo muito forte de comer. Estava com minha família então desisti da idéia. Uns dias depois, precisei sair sozinha e imediatamente me veio à idéia de passar naquela loja e comprar o pão de mel. É incrível que mesmo antes de chegar lá o inimigo já havia colocado a idéia em minha mente e infelizmente não cortei sua sugestão naquele momento e comecei a acariciá-la.
No dia seguinte saí de casa decidida a comprar o pão de mel. Nem parei para pensar na minha decisão e ainda ficava desculpando minha escolha com pensamentos sugeridos pelo inimigo: “Faz tempo que você não come chocolate! Você merece por ter sido tão obediente.” Por fim, aqueles pensamentos me levaram a ignorar a voz de Deus. Simplesmente cheguei lá e comprei. Depois que comprei também não pensei muito, fui logo abrindo e comi rapidamente. Não sei se foi a ansiedade de comer e a luta espiritual que experimentei, mas o resultado é que meu estômago virou totalmente e passei mal o resto do dia.
Não sei se chocolate é uma tentação para você como é para mim, mas através desas duas experiências aprendi algumas coisas importantes sobre vencer a tentação. Primeiro, não podemos levantar pela manhã e pedir que Deus nos livre das tentações do dia inteiro. Precisamos estar a cada minuto e em todo lugar com Ele, e clamarmos por Sua ajuda no momento em que a tentação vier. Segundo ponto, muitas das tentações não são súbitas, elas começam de mansinho em nossa mente e se permitirmos elas se fortalecem e chega um ponto onde é muito difícil resisti-la. Então precisamos aprender a cortar a tentação pela raiz, cortar os primeiros pensamentos que possam nos levar a cair em tentação. E terceiro, jamais venceremos a tentação “resistindo e resistindo” em nossas próprias forças. Deus está sempre ao nosso lado, mais do que pronto a nos ajudar. Somos impotentes para vencer qualquer tipo de tentação por nós mesmos, mas ele é Onipotente e tem o maior prazer em nos ajudar.
“…Mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1 Coríntios 10:13).

Acompanhe no Facebook

2 Comments

  • selma

    Reply Reply 29 de janeiro de 2012

    Olá Rute…fiquei empolgada em ler o artigo e saber como vc tinha consigo vencer essa "barra"
    (tão deliciosa).Mostrei até pro meu filho.Ele não faz mais uso de refrigerantes,mas não dispendamos ainda o chocolate.Achei mesmo engraçado algumas atitudes em q vc comeu os chocolates feito uma criança.Que Deus continue lhe dando muitas vitórias!

  • Rute Bazan

    Reply Reply 29 de janeiro de 2012

    É uma luta contínua, Selma. Mas cada vez que notamos uma dessas pequenas "brechas" e nos entregamos a Deus, Ele nos fortalece ainda mais. Abraço! Rute

Leave A Response

* Denotes Required Field